A imagem corporal- Distorção de imagem

A imagem corporal é a figura de nosso próprio corpo que formamos em nossa mente, ou seja, o modo pelo qual o corpo se apresenta Schilder (1994)
Existe 3 componentes que envolve o conceito de imagem corporal:
O perceptivo, que se relaciona com a precisão da percepção da própria aparência física, envolvendo uma estimativa do tamanho do corpo e do peso real.

Subjetivo, que envolve aspecto como satisfação com aparência, o nível que se tem com a preocupação e com isso ansiedade a ela associada.

E também o Comportamental, que focaliza as situações evitadas pela pessoa por experimentar desconforto associado totalmente a sua imagem.
Sabemos que as crenças culturais determinam normais sociais que a pessoa tem em relação ao seu corpo.
Como por exemplo, práticas de embelezamento, manipulação, mutilação, fazem do corpo um terreno de significados simbólicos. Mudanças artificiais em seu formado do corpo, tamanho e aparência são comuns em todas sociedades e tem uma importância social, por conta de ser aceito no meio. E com isso se torna extremamente reforçado mudar.
O corpo tem uma função muitas vezes de status social , onde demostram um sinal de mudança.
A nossa cultura discrimina os indivíduos que não são atraentes, numa click here série de situações cotidianas importantes. Pessoas que estão dentro do padrão recebem mais suporte e encorajamento no desenvolvimento de repertorio cognitivo socialmente seguros e competentes, assim, indivíduos não atraentes, estão mais sujeitos a lidarem com um ambiente mais punitivo. E também não-responsivo ao rejeitador e que desencorajam o desenvolvimento de habilidades sociais e de um autoconceito favorável.
O reforço social refere-se ao processo por meio do qual pessoas internalizam atitudes e comportam-se mediante aprovação dos outros. Como exemplo, um adolescente pode querer seguir uma dieta caso perceba que a mídia glorifica o corpo esbelto e magro e critica as pessoas com excesso de peso.

A modelagem refere-se ao processo em que o indivíduo observa comportamentos de outros e os imita. A sociedade pode ser um modelo de preocupações com as medidas corporais, dietas excessivas, comportamentos não-saudáveis de controle de peso e, em última análise, compulsões alimentares.
Fonte: Ambulatório de Bulimia e Transtornos Alimentares do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). São Paulo. SP. Brasil.
http://www.hcnet.usp.br/ipq/revista/vol31/n4/164.html11258834_645935862173127_7360453285103220305_nPsicóloga Samira Falcão – Especialista Cognitiva Comportamental USP